Rede de solidariedade: servidores e cidadãos confeccionam e distribuem máscaras gratuitas 

Por Maiara Maduro
21/05/2020 08:54

Quem passa pelo Centro de Educação Infantil Bruno Magalhães, no Itinga, se depara com um varal de máscaras no portão. O morador pode pegar quantas precisar para a família, sem pedir ou pagar. O mesmo ocorre no CEI Maria de Lurdes Max, no Icaraí. A rede de solidariedade que confecciona e distribui máscaras de proteção contra o novo coronavírus conta ainda com os dois Centros de Referência de Assistência Social, Itinga e Porto Grande, com o Grupo da Melhor Idade Arco-íris, do Centro, e com a Fundação Municipal de Cultura de Araquari. São servidores públicos e cidadãos em prol de um mesmo objetivo: garantir a proteção de todos. 

A diretora do CEI Bruno Magalhães, Aline Supriano Teixeira, conta que toda a equipe da unidade colabora de alguma forma na confecção das máscaras. Desde o início de maio, já foram produzidas e distribuídas gratuitamente mais de 300 unidades. Mesmo sem aulas, há pouco mais de dois meses, os profissionais da Educação trabalham em forma de plantão e resolveram utilizar o tempo disponível para ajudar o próximo. “Sentimos a necessidade de contribuir com a nossa comunidade neste momento difícil.”

No CEI Maria de Lurdes Max, as máscaras feitas de TNT (um tipo de tecido) também são colocadas em um varal em frente a unidade. A diretora, Jeandrini Jeane de Aquino, conta que os professores produzem cerca de 50 máscaras por dia. “É um projeto que está dando muito certo. Nós vimos as pessoas passando e pegando. É muito gratificante.”

CEI Bruno Magalhães | Rua São Paulo, nº 475, Itinga

CEI Maria Max | Rua Crispim Ferreira, nº 85

Em Araquari, o uso de máscaras é obrigatório para quem trabalha ou frequenta repartições públicas, comércios, empresas, para realizar atividades físicas e frequentar espaços públicos. A Prefeitura de Araquari também está fazendo a distribuição gratuita de 30 mil máscaras de tecido para os moradores que fazem parte do grupo de risco, em situação de vulnerabilidade social e indígenas. 

Clique aqui e assista um vídeo sobre a distribuição. 

Equipamentos da Assistência Social também fazem parte 

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, servidores públicos do CRAS Justina Cabral, no Porto Grande, e o CRAS Esmeralda Conceição Duarte, no Itinga, estão produzindo máscaras de tecido. No Itinga, a produção de mais de 200 unidades garantiu a proteção de servidores da Secretaria de Assistência Social e agora, a distribuição será aos usuários da unidade. Já no Porto Grande, já foram produzidas mais de 500 máscaras para beneficiar quem frequenta o CRAS. No Centro, o Grupo da Melhor Idade Arco-íris também faz parte desta rede de solidariedade. Eles fizeram e doaram 100 máscaras. 

Fundação Municipal de Cultura já produziu mais de 3.500 máscaras 

Inicialmente, as máscaras foram entregues aos servidores que voltaram a trabalhar presencialmente nas repartições públicas. Mas a ideia agora é expandir e distribuir aos moradores em situação de vulnerabilidade social. “Nós vamos continuar a confecção. Contamos com 18 funcionários envolvidos e cada um fazendo a sua parte. Deixaremos as máscaras agora na Assistência Social e na Secretaria de Saúde para serem entregues a quem precisa”, afirma a presidente da Fundação Municipal de Cultura, Sueli Hreisemnou de Oliveira.


 

Download das fotos em alta resolução
Carregando