De Araquari para a África | Documentário sobre o “Catumbi do Itapocu” é lançado em Yaoundé

16/07/2019 15:10


Um pouco da história de Araquari ganhará espaço em um dos maiores e mais conceituados festivais de cinema da África, que acontece de 13 a 20 de julho, em Yaoundé, capital da República dos Camarões. O documentário curta-metragem “Itapcu” será exibido no 23º Festival de Cinema Ecrans Noirs, na sexta-feira, 19, durante a mostra competitiva de curtas internacionais.  

“Itapocu” é um curta documental que registra a comunidade quilombola do Itapocu e a Associação e Grupo Folclórico Catumbi da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e sua tradição centenária que atua como uma manifestação sincrética com dança, música, ritos e devoção ao feminino.  Uma tradição centenária de afirmação da identidade negra na região. 

O Catumbi é um ritmo afro-brasileiro similar ao congado e ao reisado, originado pelos escravos no século XIX, misturando a coroação dos reis do Congo com louvações a santidades católicas, em Araquari, a devoção é a Nossa Senhora do Rosário. Ocorre com bastante frequência em outras partes do país, porém, em Santa Catarina, a tradição praticamente se perdeu.

O curta documental é dirigido por André Senna, produzido e editado por Marcos Serafim, com produção local de Alessandra Bernardino, e direção de fotografia e câmera de Rosano Mauro Jr. Em 2016, o diretor André Senna, foi contemplado pelo Prêmio Catarinense de Cinema 2014/2015 da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), sendo assim, o curta filmado em 2017 e lançado agora em 2019. Após a estreia na África, o filme já tem exibição garantida em mais três importantes festivais de cinema documental pelo mundo.

Em Araquari, o grupo folclórico Catumbi já faz parte do patrimônio cultural imaterial da cidade, por meio do decreto 90/2018.
 

Download das fotos em alta resolução
Carregando